I alí pertinhu, u caipira cum terno brancu foi pra missa di dumingu. No finar foi pruma pracinha cua namorada e sentaru num banquinho; ele dum lado e ela du otro.
- É, né?
- Pois é.
- Então é, né?
Di repenti um pássaro fais um servissu bem no ternu du caipira, qui começa a esbravejá. A namorada toooooda envergonhada tira um lencinhu branquiiiinhu di rendinha e oferece pru caipira.
- Limpa, mor.
U caipira pega o lencinhu, oia pra cima e diz:
- Num dá, quirida. Ele tá muito arto.